Quando “flipar” a sua empresa?

Quando transferir a sede da sua empresa para outro país vale a pena


Nosso DNA é brasileiro. Você (e eu) que somos empreendedores sabemos dos desafios que passamos para ter uma empresa no Brasil. Aqui nascemos e teremos sempre empresas Brasileiras, correto? Não necessariamente. Existem algumas condições que favorecem a sua empresa mudar de nacionalidade.


Como assim? O headquarter (sede) da sua empresa rege a sua operação nacional. Lá estão os diretores, as decisões estratégicas e corporativas são tomadas nesse endereço. A legislação e a tributação incide no seu endereço comercial. São Paulo é a cidade com mais sedes de empresas nacionais e multinacionais no Brasil.

Mas quando você começa a olhar para fora e estudar as oportunidades para abrir sua empresa fora do Brasil, você percebe que existem vantagens competitivas gigantescas te esperando. O mais comum são as empresas abrirem filiais fora do Brasil e coordenar tudo daqui. Mas já existem algumas empresas mudando a sede para outros países e tratar as operações do Brasil como filial. Primeiro, vejam uma curiosidade:


Os países e as cidades disputam para serem headquarters de grandes empresas multinacionais. O argumento de que elas geram empregos altamente qualificados, trazem investimento e recolhimento de tributos faz com que as prefeituras se mobilizem para atrair novas sedes de empresas. Londres comemorou muito quando conseguiu trazer a nova sede do Google para a cidade (mesmo com Brexit), com um investimento de 1 bilhão de libras. Veja o vídeo para entender como a cidade se posiciona. Mas agora o burburinho da vez é onde a Amazon vai colocar seu segundo HQ. A localidade escolhida receberá USD 5 bilhões de investimento e criará 50.000 (isso mesmo, cinquenta mil) novos empregos. Basicamente, a empresa vai dobrar de tamanho. O curioso é ver as cidades fazendo campanha, oferecendo tudo que é possível e lançando notícias comemorando que estão listadas como top 20.


Voltando...

Quanto mais internacional vai ficando sua empresa, menos sentido faz tocar toda sua operação do Brasil. Se você tem um portfolio de clientes de múltiplas nacionalidades, ou quer captar investimento de um fundo de Venture Capital “flipar” é uma excelente opção. Veja abaixo as principais razões para considerar o flip.



Tributação

A gente fala da criação de Holdings internacionais. No Brasil, é bem popular abrir Holdings em Delaware nos Estados Unidos para captação de investimento americano pelas vantagens tributárias e segurança jurídica. Mas o Reino Unido também é uma excelente casa para sua Holding internacional. Tem uma diferença grande aqui. Nos EUA, a tributação é global, ou seja, o Tio Sam te tributa em suas operações americanas e ele quer um pouquinho também de toda a sua operação internacional (mesmo “flipando” sua empresa). No Brasil, nós copiamos o mesmo modelo, ou seja, independente de acordos de bitributação, a Lei 12.973 exportou o custo Brasil ao assumir o mesmo critério tributário. O Reino Unido é um dos poucos países no TOP 10 do relatório Doing Business do Banco Mundial que adota a tributação local. Ou seja, ao “flipar” sua operação tornando a sede da sua empresa Britânica, a Rainha da Inglaterra só vai te tributar pela sua operação local, e não sua operação global. Por isso que o Reino Unido é um dos países com mais Headquarters do mundo (e não, essa legislação não será afetada por Brexit).

Conclusão: abra a empresa em Delaware se seu objetivo é captar investimento americano. Mas não ache que a tributação vai ser muito melhor que no Brasil. Um aspecto bem interessante é que nos Estados Unidos você pode ter residência fiscal em Delaware mas seu endereço comercial ser em outra cidade e Estado, como Nova Iorque, São Francisco ou Chicago. Então, na hora de tirar sua empresa do papel nos EUA, considere qual cidade os sócios da sua empresa vão querer chamar de casa.

Você ainda pode me perguntar, mas e os paraísos fiscais tipo Cayman e BVI (British Virgin Islands) para Holdings? Então, essas localidades também funcionam bem como veículo de investimento ou para investimentos de pessoas físicas. Mas se o seu objetivo é ter sua empresa internacionalizada de fato, essas jurisdições nem sempre são bem vistas pelo mercado e podem abrir questionamentos com relação à reputação da sua empresa.

Bom, dá pra falar mais um monte sobre isso, mas vamos em frente. Se você quiser se aprofundar, pode me perguntar por aqui ou checar com um advogado tributarista internacional.



Fuso Horário

Se sua empresa trabalha com clientes em múltiplos continentes, o fuso horário é importante para garantir que você possa atendê-lo em horário comercial. Infelizmente no Brasil não conseguimos falar com a Ásia (China e Austrália, principalmente) por exemplo, então precisamos estar mais próximos do GMT (Fuso horário zero) para ganhar uma janela de horário que não signifique conference calls de madrugada.



Captação de Investimentos

Para captar investidores internacionais (principalmente americanos e europeus) ter uma empresa registrada fora do Brasil é essencial. Os investidores não vão investir direto na sua empresa no Brasil, por causa do nosso Risco Brasil. Eles preferem países com uma legislação estável, previsível e com uma tributação eficiente (por que se algo der errado, eles estão cobertos).

O mesmo vale para IPOs. Na Bolsa de Londres, a AIM ou em Toronto na TSX Venture Exchange a sua empresa pode ter acesso a um poll maior de investidores, uma regulação transparente, visibilidade e valorização da sua empresa. Já temos algumas empresas brasileiras listadas em ambas bolsas. Vale a pena considerar o flip com sua abertura de capital.



Decisão pessoal dos sócios

Como empresário, você pode decidir sair do Brasil por uma decisão pessoal ou familiar. Você pode continuar seus negócios fora do Brasil, seu parceiro de vida pode trabalhar e seus filhos podem estudar normalmente nas escolas locais. Existem vistos para empreendedores específicos para isso para diversos países como os EUA, Canadá, Reino Unido, Portugal e Colômbia. Já vi Board inteiro se mudar do Brasil por uma qualidade de vida melhor e estar no centro dos negócios internacionais. Em alguns casos, significa menos tempo no avião e mais tempo com a família. Sair do Brasil não é uma decisão fácil, mas é opção para muitos que procuram um futuro melhor.



Tempo no Céu

Se você passa muito tempo no avião, flipar pode ser uma opção para você ficar mais na terra. Transferir a sede da sua empresa para outro País pode reduzir seu tempo de viagem e trazer mais tempo para negócios e família. Mais opções de vôos mais curtos e diretos. Isso também faz parte da sua equação por competitividade.

Está pensando em flipar sua operação ou conhece alguém que já fez? Me conte aqui. Te vejo no mundo,





A Sterna é a primeira Boutique de Internacionalização do Brasil. Podemos de ajudar a abrir sua empresa no exterior. Vamos tomar um café? contato@sterna.co

0 visualização