Internacionalizar na pandemia é possível?


6 aspectos que mudam se sua empresa quer ser global nos próximos tempos

2020 ia ser “O” ano para a sua empresa. Você já tinha decidido abrir empresa no exterior, se mudar com a família para um país novo e fazer sua empresa crescer ainda mais. Daí, chegou a pandemia e seu grande sonho ficou “on hold”. Como muitos aspectos da nossa vida estão sendo repensados, o momento é excelente para (re)planejar sua internacionalização.



Um pouco de background...

Para as empresas que já estão internacionalizadas, ter operações em mais de um país, apesar de mais complexo gerenciar conjunturas diversas, funciona como um redutor de risco. Por quê? Cada país estabeleceu protocolos diferentes e a pandemia tem ciclos temporais variados. Assim, a empresa pôde se adaptar e equacionar suas operações de acordo com os tempos e movimentos da pandemia, minimizando os impactos possíveis.

Para as empresas que estão em processo de internacionalização, é necessário reavaliar a estratégia elaborada à luz da nova conjuntura do mercado global. Viveremos num mundo pós-covid com outras premissas. As empresas devem se adaptar a isso antes de internacionalizar.

Os empresários estão pensando: “como posso recuperar meu tempo e dinheiro na pandemia? Como posso acelerar meu crescimento para compensar este momento?”: internacionalização é sem dúvida, uma das opções que deve estar na mesa.

Apesar da miopia de alguns empresários brasileiros, internacionalização é sobrevivência. Depois de sucessivas crises econômicas no Brasil é preciso evidenciar que as operações internacionais blindam as organizações contra o colapso geral. Alguém tem dúvidas de que os EUA e a Europa devem se recuperar da crise da forma mais rápida possível? O Brasil virá alguns passos atrás na fila.

O timing para internacionalização aqui é essencial. Toda crise gera oportunidades. É importante entender que a crise global desvaloriza também os custos de investimento em outros países. O escritório ou loja na localização ideal tende a estar mais barato, alguns talentos internacionais estão em transição de carreira, a aquisição dos insumos para produção pode estar mais barata e tudo isso facilita na implementação de uma empresa fora do Brasil. O conjunto destas condicionantes no mundo empresarial chama-se vantagem competitiva.

Neste artigo vou abordar alguns aspectos que a pandemia mudou a forma com que podemos internacionalizar os nossos negócios.



O poder do “Global Sourcing”

Global sourcing é a prática de buscar no mercado global os bens e serviços necessários independente das fronteiras geopolíticas. A pandemia forçou as empresas, pessoas e governos a buscarem em qualquer canto do mundo as soluções para seus desafios locais. A pergunta é simples: “Quem no mundo pode me ajudar a resolver determinado desafio?”

As empresas que buscaram trazer mais visibilidade internacional para sua proposta de valor cresceram além das fronteiras em momento de crise (principalmente aquelas ligadas à ‘economia do covid-19’: área da saúde e serviços digitais, alimentícios etc.).

O global sourcing ajudou a desmistificar alguns aspectos do comércio internacional e quebrar barreiras invisíveis no mundo dos negócios, como o preconceito com a origem (Se é do Brasil, não pode ser bom). Foram criados corredores internacionais logísticos para garantir a segurança de abastecimento. Os portos não pararam. Isso é importante para entender como estamos todos conectados e aproveitar para converter clientes em novos mercados.



Estratégia digital de entrada

O global sourcing permite que as empresas explorem todas as ferramentas digitais e a internet para trazer visibilidade para seus produtos e serviços. Esse é o momento de “Virar sua empresa para fora”, ou seja, trabalhar todos os detalhes de sua comunicação digital e seu produtos para que sejam acessíveis no mercado global.

Com o setor logístico funcionando normalmente, é possível iniciar (ou ampliar) sua operação de base exportadora enquanto prepara sua internacionalização de fato, levando em conta a nova conjuntura da economia global pós-covid.



Redução do GAP cultural em negócios

O uso fluente das ferramentas digitais quebra barreiras físicas e culturais e estabelece um novo jeito de fazer negócios internacionais. Antes da pandemia, a necessidade de reuniões e negociações presenciais estava intimamente ligada a um aspecto essencial: confiança.

Para algumas culturas, nada substitui o olho-a-olho. O aperto de mão firme, olhar no olho, falar com propriedade (sem sinais visíveis de insegurança) são rituais dos negócios sem equivalência virtual.

Mas o distanciamento forçou as pessoas a confiarem na tecnologia para seguirem com seus negócios. A tecnologia aproxima as pessoas e nesses casos, negócios foram fechados sem sair de casa.

As pessoas estão aprendendo a prospectar e se conectar de forma mais fluente pela internet com base nessa confiança na tecnologia. Isso muda a regra do jogo e permite que as distâncias continentais sejam reduzidas a alguns clicks.



Restrição a viagens internacionais

Este não é o momento de você voluntariamente entrar no avião. A pandemia fechou as fronteiras de países e criou novas políticas para circulação de pessoas. A IATA (International Air Transport Association) criou um mapa interativo que mostra todas as condições para viagens aéreas no mundo.

Por exemplo, se você viajar para Israel, vai precisar ficar de quarentena por 14 dias num hotel antes de poder circular pelo País. Os EUA e Europa também restringiram a entrada de brasileiros a turismo e negócios. A criação de “zonas de segurança” (safe zones) vai ampliar a possibilidade de circulação em certos destinos, sob os critérios de controle da pandemia.

Se olharmos para as principais rotas de internacionalização de empresas brasileiras, os principais destinos de investimento externo estão com as fronteiras fechadas para Brasileiros, até que a pandemia esteja controlada por aqui.

Mas a pandemia provou ser possível desenvolver negócios sem precisar se deslocar em certa medida. Então, dependendo do setor econômico do seu negócio, é possível resolver por aqui, o que você tinha no seu planejamento para fazer presencial. Por exemplo, os roadshows virtuais estão acontecendo, onde agendas para prospecção de negócios são marcadas por videoconferência num sprint de uma semana, como se faria numa viagem à Nova Iorque ou Londres, ainda com uma vantagem: sem os custos de uma viagem.

Se o seu negócio tem uma dimensão física associada que contava com sua presença para vistoriar um local, receber mercadoria ou outra atividade, a opção é buscar alguém local para executar o que você queria fazer presencialmente. Você pode buscar tours virtuais das propriedades que gostaria de olhar para entender se a estrutura e localização estão corretas para o seu negócio.



Expatriação

A boa notícia é que alguns departamentos de imigração de países estão retomando suas atividades e seu visto será processado, como o Reino Unido (UK Visas and Immigration) e o Canadá. Aqui um componente interessante é que muitos procedimentos foram digitalizados por conta da pandemia e não será mais necessário ir presencialmente para entrega de documentos ou entrevista, como era antigamente.

Enquanto você pode correr com a burocracia, pode ser que por conta da redução dos vôos internacionais, fronteiras fechadas ou prazo do visto para imigrar para seu novo destino, seja preciso esperar uma janela para que você possa ir morar no exterior.

Se você prefere não se mudar para outro País neste momento, pode substituir a expatriação pela contratação de um funcionário local para não perder o timing da sua internacionalização no País de destino. Somente tome cuidado, pois algumas rotas de visto possuem a condicionante de primeiro funcionário da empresa no exterior, e a contratação de um colaborador local pode fechar esta rota para você no futuro.



Serviços digitais governamentais

Não foram somente os processos de imigração que foram digitalizados. Alguns países do hemisfério norte como EUA, Canadá e Reino Unido já permitiam registro de empresa e aplicação para licenças de operação, registro de patentes e impostos online. Isso facilita muito para que as empresas possam iniciar suas operações e faturamento sem precisar se deslocar.


Neste artigo deu pra perceber que a pandemia ajudou a encurtar as distâncias internacionais no mundo dos negócios. E que a tecnologia permite que você acesse novos mercados sem sair da sua casa. A sua ambição global é o combustível para que seus sonhos virem realidade e sua empresa seja internacional num tempo próximo.

Então, é possível internacionalizar na pandemia. O momento é de planejar, estudar quais processos podem seguir de acordo com os tempos e movimentos do Covid-19 para chegar onde quer. E se puder, #fiqueemcasa.

#tevejonomundo




A Sterna é a primeira Boutique de Internacionalização do Brasil. Podemos te ajudar a abrir sua empresa no exterior. Vamos tomar um café virtual? info@sterna.co

34 visualizações